Buscar

Comissão dos bairros em afundamento de solo apresenta relatório de atuação em Audiência Pública


A Comissão Especial Parlamentar dos Bairros em Afundamento de Solo (CEPBAS), presidida pelo vereador Leonardo Dias (PSD), promoveu, na manhã dessa sexta-feira, 15, no plenário da Câmara Municipal de Maceió (CMM), uma audiência pública para discutir a situação das regiões atingidas pela mineração na capital alagoana. Além disso, a Comissão apresentou seu primeiro relatório com o que foi trabalhado nos primeiros 180 dias de atuação.


O relatório aborda os problemas encontrados, além das ações que foram realizadas pela CEPBAS nesse período e, diante do volume de trabalho, destaca a necessidade da prorrogação de prazo da Comissão, já aprovada em plenário. A íntegra do documento pode ser acessada por qualquer pessoa.


CONFIRA ABAIXO O RELATÓRIO COMPLETO

relatório CEPBAS
.pdf
Download PDF • 566KB

Durante a audiência pública, foi discutida com os moradores da região, empreendedores dos locais afetados e autoridades do âmbito estadual, municipal e federal, a situação dos bairros e toda a problemática oriunda da questão geológica, que a Comissão subdividiu em eixos que vão desde o problema do ilhamento social até a questão ambiental, abrangendo ainda a causa animal, a preocupação com os equipamentos públicos, a situação dos empresários, dentre outras.


Por essa razão, a audiência – que se iniciou pela manhã, mas só se encerrou no período da tarde – abriu espaço para as múltiplas vozes. O vereador Leonardo Dias destacou, em seu discurso, a importância de ouvir sobretudo a população atingida e o compromisso com dar celeridade à resolução dos problemas. “Não mediremos esforços nesse sentido. Não podemos falhar, pois muitas dessas pessoas já cansaram de promessas”, pontuou o edil.


O edil ainda destacou alguns pontos que são preocupações da Comissão, como a situação vivida pela população remanescente no bairro de Bebedouro, nas regiões da rua Marquês de Abrantes e dos Flexais, Bom Parto, Vila Saem e parte do Farol.


"Durante os últimos seis meses, desde o início dos trabalhos da CEPBAS, tivemos muito cuidado em reconhecer a atual situação do problema e quais os acordos haviam sido firmados com a Braskem. Acompanhamos ações da Prefeitura de Maceió, prestamos assistência aos moradores, discutimos as indenizações e também o futuro da região. Dividimos nossos trabalhos com foco nas medidas de segurança, habitação e judiciais. Também nos atentamos às questões dos empreendedores da região, ao meio ambiente, os equipamentos públicos e o ilhamento social", explicou Leonardo Dias.


O evento abriu espaço e deu voz para que a população que sentiu na pele os danos causados pelo desastre geológico pudesse se expressar e questionar diretamente aos órgãos competentes. Em meio aos depoimentos, diversas histórias de sofrimento e indignação com o ocorrido em parte significativa da cidade de Maceió.


“Muito se foi feito em termos de papelada, de estudos, mas na ponta da linha não consegue chegar ao morador que trabalhava na feira livre de Bebedouro, acabou com o sustento da família dele e ele ainda tem que viver a questão do isolamento, onde não tem ônibus, o socorro não chega, onde tem que comprar pão e alimentos em outros bairros. Temos duas ruas nos Flexais que saíram pela metade. Os que ficaram lá precisam sair pelas matas, pela lagoa ou pelos escombros das casas que foram abandonadas. O que acontece lá é de cortar o coração de qualquer cidadão”, ressaltou Kayo Fragoso, morador do bairro do Bebedouro.


A mesa da Audiência Pública, que teve início às 9h e finalizou às 17h foi composta por representantes da população, da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), do Serviço Geológico Brasileiro (CPRM), Defesa Civil Municipal, bem como o secretário do Gabinete de Gestão Integrada dos Bairros em Afundamento de Solo, Ronnie Mota e o representante dos empresários da região, Alexandre Sampaio.


Vale ainda destacar que a CEPBAS continuará seus trabalhos por mais 90 dias. A Comissão é composta, além do presidente Leonardo Dias, pelo vice-presidente Cal Moreira (PSC), o secretário Pastor Oliveira (Republicanos), e os demais membros: Doutor Valmir (PT) e Aldo Loureiro (Progressistas).


13 visualizações0 comentário