Buscar

Leonardo Dias denúncia falta de medicamentos na Central de Abastecimento Farmacêutico de Maceió


Durante o seu pronunciamento em Sessão Ordinária na Câmara Municipal de Maceió (CMM) desta terça-feira (29), o vereador Leonardo Dias (PSD) afirmou que denunciou ao Ministério Público de Alagoas (MPE/AL) sobre a falta de medicamentos na Central de Abastecimento Farmacêutica (CAF) de Maceió.


Ao todo, 65 medicamentos estão em falta na CAF e, consequentemente, em muitos postos de saúde do Município. Segundo o vereador, os medicamentos são de fornecimento obrigatório pelo SUS.


“Em abril eu estive na Farmac para verificar denúncias que recebemos sobre falta de fraldas. Eu retornei lá na semana passada e o problema se persistia. Eu comuniquei ao Ministério Público na semana passada para que eles possam acompanhar o que acontece no Município, que não tem tido capacidade de manter abastecida a farmácia que fornece fraldas geriátricas para pessoas acamadas. Hoje eu recebi uma denúncia e fui na CAF com uma relação de medicamentos que estariam faltando. São medicamentos de fornecimento obrigatório pelo SUS”, afirmou.


Durante seu pronunciamento, Dias explicou que protocolou diversas indicações, que foram aprovadas pela CMM, mas que ainda não foram atendidas pela Prefeitura Municipal de Maceió. Esta falha na rede primária causa maior aporte de pacientes no Hospital Geral do Estado (HGE).


“Eu fiz indicações em março, abril, maio e junho e não obtive nenhuma resposta da SMS. Diante da inércia da secretaria, eu recebi uma lista de medicamentos que estão em falta e eu verifiquei cada um dos medicamentos que eu não encontrei lá. São 65 medicamentos que deveriam estar disponíveis nos postos e, infelizmente, não estão nem na Central de Abastecimento. Muitos desses medicamentos são essenciais para evitar o agravamento de outras doenças. Pessoas que estão hoje sem acesso à medicação como anti-hipertensivo, amanhã são pacientes de AVC no HGE. Muitas vezes eu critiquei o governo do Estado pela situação do HGE, mas se a rede primária não consegue suprir o básico, fica complicado. A prefeitura não está respondendo essas indicações que estamos fazendo e eu vou encaminhar essa lista de medicamentos para que o Ministério Público possa averiguar o que está acontecendo. A gente precisa de resposta”, finalizou.

2 visualizações0 comentário